9 perguntas para te ajudar a se livrar de coisas que você não precisa

10.1.18

  Eis que chega o dia em que você se olha no espelho e decide que se tornará uma pessoa minimalista, afinal de conta, por que não se aventurar nesse estilo de vida que só tem coisas boas a te trazer? Porém é somente na hora de por em prática que a gente percebe o quão difícil é adotar este estilo de vida, e então começamos a questionar nossa capacidade de persistência e o nosso verdadeiro propósito com tudo isso.  É, eu sei como é isto, pois é justamente por esta fase que eu estou passando.

 Eu tenho lido bastante sobre o assunto, e parece que em todos os lugares, a primeira dica que todo mundo nos da é: livre-se daquilo que você não precisa. Na teoria parece até fácil, não é? A gente logo pensa naquela camiseta que está guardada no fundo da gaveta há bastante tempo, ou então naquela calça que a gente ganhou de presente e nunca usou porque achou horrível. Mas vocês já pararam para realmente se livrar dessas coisas? Garanto para vocês que é uma missão bem mais difícil do que parece.

 Foi justamente em uma situação como essa que eu percebi que o verdadeiro desafio não está em se livrar de coisas inúteis para você, mas sim em perceber que elas são inúteis para você. É por isso que eu acredito que o primeiro passo a ser seguido não é se livrar de tudo aquilo que você não precisa, mas sim identificar tudo aquilo que você não precisa. E para a gente conseguir iniciar esse processo de identificação é necessário que sejam feitos alguns questionamentos pessoais para nos ajudar no processo, e foi pensando nisso que eu cheguei a 9 Perguntas para te ajudar a se livrar de coisas que você não precisa. Ah, e fica aqui comigo até o final porque ainda tem uma checklist gratuita para você colocar em prática tudo que aprender neste post.

Quais os benefícios que isto me traz?
 Esta é uma pergunta primordial e que deve ser feita para qualquer coisa que você possui. Tudo o que a gente compra nos traz ou pelo menos deveria trazer algum benefício, então é sempre importante a gente identifica-lo de preferência antes de realizar a compra. Uma blusa de frio, por exemplo, te beneficia ao manter-lhe quente em dias frios, assim como a sua carteira te beneficia pela capacidade de manter todos os seus documentos em um único lugar. 

 Sabendo disso, olhe para a coisa que você tem em mãos agora e se pergunte: quais os benefícios que isto me traz? Se você não consegue encontrar as respostas, então está na hora de se desfazer disto, afinal de contas, por que você ocupa espaço com algo que não lhe traz qualquer benefício? Mas agora, supondo que você encontrou algumas respostas, questione-se se elas são realmente válidas ou se você está tentando se convencer de que são só para não se desfazer disto.

O quanto eu usei isto no último ano?
 Supondo que você identificou quais benefícios isto te traz, está na hora de se questionar o quanto eu usei isto no último ano. Se isto ficou o último ano, ou os últimos meses, parado em sua estante ou guardado em seu guarda-roupa, questione-se por que isto aconteceu. Por que você deixaria de usar algo que pode lhe trazer benefícios e pelo qual você pagou? As respostas para essa pergunta podem ser inúmeras, já que pode existir muitos motivos, como por exemplo medo do que as outras pessoas iriam pensar, mas neste caso você não concorda comigo que é melhor se desfazer disto ou então começar a dar menos importância para o que as pessoas podem ou não achar? Fica ai o questionamento.

Eu compraria isto hoje? 
 Agora imagine que você esteja passando pela mesma loja onde comprou isto e pergunte-se: eu compraria isto hoje? Muitas vezes compramos coisas por impulso ou porque simplesmente estão na moda, e é através de questionamentos como estes que percebemos isto, pois você dificilmente compraria esta coisa hoje se tivesse a oportunidade. 

 Vamos pensar em nossas roupas. Uma das YouTubers que eu mais admiro, a Nátaly Neri do Afros e Afins fez um vídeo sensacional sobre Moda consciente, e nele ela fala bastante de como as nossas roupas falam muito sobre quem somos e sobre o que queremos dizer para o mundo, e referindo-se a isto ela faz a seguinte citação: se essa é a sua história porque ela vai mudar na próxima estação? Então a minha pergunta é: se as roupas que você veste representam a pessoa que você é, por que você não compraria mais esta peça nos dias de hoje? Será que é porque você mudou tanto durante este período? Ou será que é porque você não está comprando peças com as quais se identifica, mas sim peças fabricadas e divulgadas de maneira à te faz acreditar que é o necessário para te deixar bonitx? Pare por alguns minutos e reflita sobre isto.

Eu já possuo itens semelhantes?
 Essa é uma pergunta que deve ser sempre feita antes de comprarmos qualquer coisa ou então quando quisermos nos livrar de algo. Hoje sabemos que o consumismo passou a ser um estilo de vida para a realidade de muitas pessoas, principalmente para nós da cidade grande que estamos a todo momento em contato com mais e mais publicidade, e por isto acabamos desenvolvendo o costume de comprar coisas que nós já possuímos mas que as estratégias de marketing nos convence de que precisamos. 

 Vamos fazer um exercício? Abra agora o seu guarda-roupa e procure por aquela blusinha/camiseta mais básica que você tem. Que cor ela é? Branca? OK, agora olhe para o seu guarda-roupa novamente e procure por todas as outras peças que sejam exatamente do mesmo estilo. O que muda em todas elas? A cor? Um simples detalhe? Você consegue entender que você não precisa de todas essas peças? 

 Hoje se tornou algo muito comum para a maioria das pessoas comprar peças de R$19,99 só porque elas custam R$19,99, e não porque elas realmente são necessárias. Ah, eu já tenho uma dessas em casa, mas é de outra cor. Se eu comprar essa aqui eu posso usar com aquele shorts que está guardado e com aquele... Consegue perceber o quanto isto acaba se tornando um ciclo vicioso? E no final das contas você acaba ocupando todo o seu espaço com roupas muito semelhantes, e eu aposto que você não usa todas elas.

Eu realmente pretendo utilizar isto algum dia?
 Esta é uma pergunta que só pode te ajudar se você for completamente sincerx consigo mesmo. Eu entendo que você pode ter alguma coisa que lhe traz um benefício e que não seja semelhante a nada que você já possua, mas então está na hora de se perguntar se você realmente pretende utilizar isto algum dia, afinal de contas, para que guardar algo que pode nunca lhe ser útil? 

 Isto acontece muito com coisas que compramos para ocasiões específicas, como por exemplo um vestido de madrinha de casamento, que provavelmente você só utilizou uma vez em toda a sua vida e não pretende mais utilizar. Será que não é melhor se desfazer disto?

O que seria da minha vida sem isto?
 Aqui está a melhor pergunta que você poderia se fazer para te ajudar a se livrar de coisas que você não precisa: o que seria da minha vida sem isto? Se você já está considerando se desfazer disto, então é porque provavelmente a sua vida sem isto não seria tão ou nada diferente do que é agora, e eu acredito que isto já seja um ótimo motivo para você dar adeus a esta coisa e passa-la adiante. 

Eu estou guardando isto por valores sentimentais? 
 Esta é uma das perguntas mas fáceis de se responder, porém é justamente aqui que mora o perigo. Muitas vezes não queremos nos desfazer de algumas coisas porque elas acabam tendo um valor sentimental para nós, e eu compreendo isto. Entretanto, acredito que há um diferença entre valor sentimental e recordação. 

 Na minha percepção, algo com um valor sentimental é algo que te toca de uma maneira muito forte, como por exemplo quando guardamos algo de alguém que era muito importante para nós e que infelizmente não faz mas parte de nossas vidas. Nestas situações eu entendo que aquela coisa pode significar muito para você, e por isto não lhe julgo por se deixar levar por estas emoções.

 Já algo com valores sentimentais totalmente relacionados a recordações, eu acredito que possam sim sair da sua vida. Eu não sei da onde veio isto, mas parece que fomos ensinados a acreditar que algumas memórias precisam de algo físico para serem recordadas. Ah, eu guardo esta camiseta porque ela me lembra do dia em que eu conheci a minha namorada. Vamos fazer outro exercício agora? Deixe todo o seu lado emocional desligado por alguns segundos e pergunte-se se você realmente precisa disto para lembrar de algo. Se você souber responder esta pergunta racionalmente, provavelmente a resposta será que não, você não precisa. Então por que continuar guardando isto? 

 Toda vez que eu me vejo em conflito para me livrar de algo com um valor sentimental eu tento pensar em quantas experiências boas outras pessoas também podem ter com esta coisa, e isto acaba me ajudando bastante no processo. Então uma dica que eu dou para estes casos é: seja mais empático.

 O espaço que isto ocupa poderia estar sendo ocupado por algo mais importante?
 Aqui está outra reflexão muito importante. Eu sei que esta pergunta pode não fazer sentido para todo mundo, afinal de contas, têm pessoas que não precisam se preocupar com espaço para guardar suas coisas. Mas será que ainda assim, não é importante parar para pensar o quanto o espaço que isto ocupa poderia estar sendo ocupado por algo mais importante e que lhe traria mais benefícios? 

 Aqui eu tenho um exemplo próprio para compartilhar com vocês. Minha gaveta de calças está completamente cheia (bem daquele jeito que para ser fechada é preciso apertar tudo), e o que me deixa mais incomodado é que algumas das calças que estão lá eu não uso há bastante tempo, e também não tenho a menor pretensão de usar. Então por que eu não me desfaço dessas peças? Além de melhorar o estado da gaveta, também abrirá espaço para outras calças, que eu posso comprar quando sentir que realmente estou precisando. Vê como se livrar de coisas que você não precisa pode ser bem mais útil do que parece? 

Eu ainda preciso disto? 
 Provavelmente você está se perguntando porque esta pergunta é a última da lista e não a primeira. Bom, eu vejo essa pergunta como a última esperança e chance para que você seja sincero consigo mesmo. Se depois de todas essas perguntas aqui em cima você ainda não se convenceu a se livrar desta coisa, então aqui está a última que deve ser feita e respondida com total sinceridade: eu ainda preciso disto? 

 Muitas vezes adquirimos coisas que nos são úteis por um determinado tempo, e após este tempo elas passam a não ter tanta utilidade para nós. Sendo assim, é este o momento em que você deve parar e perceber que está na hora de passar esta coisa adiante, de compartilhar com outras pessoas para que elas também tenham boas experiências com isto. Talvez a chave da felicidade não seja o ter, mas sim o compartilhar.

 _______________________

  Bom, depois de ler essa lista enorme eu sei que você provavelmente está pensando o quanto é inviável fazer todos esses questionamentos para todas as coisas que você possui. Foi justamente por saber disto que eu desenvolvi uma ferramente rápida e prática para te ajudar a fazer esses questionamentos de uma forma mais dinâmica e ágil, uma Checklist do desapego. 

 Para receber a Checklist do Desapego em seu e-mail e começar a colocar tudo isto em prática basta preencher o formulário abaixo. Após clicar em enviar você receberá em seu e-mail a Checklist.

  • Compartilhe:

Você também pode gostar desses aqui

2 comentários

  1. Oi Gu
    Ano passado, em setembro, eu participei do desafio 30 dias de minimalismo. E foi incrível pra mim. Ele nos dá desafios simples pra cada dia, como por exemplo limpar a gaveta da escrivaninha e tirar tudo aquilo que é lixo e não se usa mais. Eu fui fazendo isso aos poucos e me livrei de muita tralha. Ainda tenho muita tralha pra me desapegar, mas sou apegada com minhas tralhas. Tem uns dois anos que comecei a trocar livros. Isso pra mim era algo incabível, mas tô gostando bastante de fazer isso, porque eu tenho muitos livros que não gostei e nem penso em ler novamente. Me livrar deles e abrir espaço pra novas histórias não parece mais tão absurdo. Na verdade, parece empolgante.
    Beijos

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lary, como vai?
      Ainda não participei desse desafio, mas acho a proposta incrível e acredito que todo mundo deveria participar pelo menos uma vez na vida, haha.
      Sobre isso que você falou dos livros, concordo bastante. Eu também sempre tive um apego muito grande pelos meus livros, mas nos últimos tempo estava vendo que não tinha mais espaço para guardar tanto livro, e foi a partir daí que eu decidi me livrar daqueles que não tinha mais vontade de ler ou então que não havia gostado. E é justamente isso que você falou, é empolgante, principalmente porque eu adoro quando as pessoas que recebem meus livros terminam a leitura e vêm conversar comigo sobre a história, é ótimo.
      Enfim, fiquei muito feliz com seu comentário, espero te ver aqui mais vezes :)

      Beijos

      Excluir